Ministério da Cultura e ANCINE anunciam investimento de R$ 205 milhões em produção e distribuição de filmes e séries de televisão

maio 17, 2012

São os primeiros investimentos no ano de 2012 do Fundo Setorial do Audiovisual, o principal mecanismo de fomento ao audiovisual no Brasil

Em entrevista coletiva realizada na manhã de hoje no auditório da ANCINE, foram anunciadas as primeiras chamadas públicas de 2012 do Fundo Setorial do Audiovisual, que investirá um total de R$ 205 milhões em quatro linhas de ação, para projetos de produção e distribuição de longas-metragens e produção de séries de televisão. O valor é superior à soma dos recursos investidos nas três convocatórias anteriores do FSA (R$ 202,5 milhões).

Participaram do evento a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, o diretor-presidente da ANCINE, Manoel Rangel, a chefe do Departamento de Cultura, Entretenimento e Turismo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, Luciane Gorgulho, e o vice-presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, Carlos Henrique Horn. Os editais das novas chamadas públicas serão publicados a partir da próxima segunda-feira, dia 21, nos portais da ANCINE, do BRDE e do MinC.

A ministra Ana de Hollanda destacou o novo momento vivido pelo cinema e pelo audiovisual no Brasil e lembrou o empenho feito pelo MinC e pela ANCINE, ao longo de 2011, pela aprovação da Lei 12.485, entre outras ações: “Essa lei garante mais espaço na televisão brasileira para conteúdos nacionais e foi uma grande conquista. Muitas outras ações, como o já aprovado Programa Cinema Perto de Você, estão levando o audiovisual brasileiro a um patamar mais elevado e seguro. O Fundo Setorial do Audiovisual, por sua vez, contribui para a continuidade e a regularidade da produção e estimula as empresas distribuidoras a trabalharem com mais produtos brasileiros, que passam a ter o espaço que merecem não apenas nos cinemas, mas também na televisão aberta e fechada. Nós damos muita importância ao estímulo à economia criativa, e o cinema se destaca como uma das principais atividades que contribuem para a auto-estima dos brasileiros, que passam a conhecer mais o que se faz no país.”

O diretor-presidente da ANCINE, Manoel Rangel, iniciou sua apresentação fazendo um balanço positivo das três convocatórias já realizadas pelo Fundo Setorial do Audiovisual: “Desde sua criação, o Fundo já recebeu a inscrição de 861 projetos, dos quais selecionamos 214, que receberam investimentos em quatro linhas de ação. Nossa percepção é que o FSA já ocupa um papel central na política pública do cinema e do audiovisual, sendo a principal ferramenta de desenvolvimento do setor no Brasil. Mais do que isso, esse mecanismo criou um novo modelo de relacionamento com os agentes do mercado, por meio de parcerias nas quais os resultados são compartilhados, realimentando a capacidade de investimento. Nesse sentido, ao se espraiar por todos os ramos da atividade audiovisual, o FSA será também fundamental para responder aos desafios da implantação da Lei 12.485.”

Rangel destacou que, graças ao FSA, as distribuidoras independentes de filmes brasileiros já assumiram um papel central na atividade: hoje essas empresas representam 70% da participação de mercado de distribuição de filmes brasileiros no mercado interno, enquanto há apenas dois anos essa participação era residual. Além disso, novas distribuidoras foram atraídas para o filme brasileiro, proporcionando mais alternativas para os produtores e uma agressividade maior nos lançamentos, disputando espaço com as produções estrangeiras. Por fim, emissoras abertas e programadoras também passaram a investir em conteúdos brasileiros independentes, em suas estratégias de formulação das grades de programação.

O diretor-presidente da ANCINE anunciou algumas inovações introduzidas nas chamadas públicas de 2012: “A convocatória deste ano traz algumas novidades. Com R$ 90 milhões,a Linha A, voltada à produção de longas- metragens, foi subdividida em aporte à produção – R$ 50 milhões – e complementação – R$ 40 milhões. O objetivo é conferir um tratamento mais equilibrado a projetos que se encontram em diferentes etapas de produção e induzir o planejamento mais adequado da ocupação do mercado. Outra mudança é que todas as linhas, com exceção do aporte à produção da Linha A, passam a operar em fluxo contínuo. Ao longo do ano, as decisões de investimento serão tomadas projeto a projeto, com mais agilidade. Estimamos em três meses o prazo entre a inscrição e a resposta sobre a decisão de investimento.”

 

Fonte: ANCINE

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: